//Problemas e anomalias dentárias do cavalo

Problemas e anomalias dentárias do cavalo

Os cavalos são animais que em liberdade pastam de 14 a 16 horas por dia. Por não serem ruminantes têm que triturar a erva o máximo possível para assegurar a máxima digestão dos nutrientes e evitar problemas com cólicas, má condição corporal e má pelagem. Por isso os dentes são uma parte muito importante da sua anatomia e há que fazer o seguimento diário dos mesmos.

Cada vez mais os proprietários estão conscientes de que é necessário fazer a revisão da boca do cavalo, no mínimo uma vez ao ano para corrigir com a maior antecedência os possíveis problemas dentários.

Características da dentição equina

Os cavalos são animais com a dentição completa que possui as três seguintes características:

Os cavalos são classificados como difiodontes porque apresentam duas dentições, a primeira dentição é composta por dentes decíduos (dentes de leite) que são gradualmente substituídos por dentes definitivos. Aos 5 anos a dentição é totalmente composta por dentes definitivos. Considerando-se que o cavalo apresenta a “boca completa”.

Os cavalos são também animais heterodontes, isto porque apresentam mais do que um tipo de dente. Neste caso a dentição do equino é composta por 4 tipos de dentes situados em duas arcadas dentárias, uma superior (maxilar) e a inferior (mandibular), são estes:

  • Incisivos:  possuem função de cortar.
  • Caninos: possuem a função de dilacerar. Os machos possuem geralmente caninos, pelo contrário as fêmeas, geralmente não possuem.
  • Pré-molares e molares: Os pré-molares estão presentes na dentição decídua e definitiva e os molares apenas na dentição definitiva. Têm a função de triturar o alimento.

Por último os cavalos são hipsodontes. Isto quer dizer que os seus dentes não param de crescer durante toda a sua vida, crescem aproximadamente 2-3 mm ao ano.

esquema dentario equino

Sintomas comuns de anomalia dentária

Existem vários sintomas que podem sugerir que o nosso cavalo está a sofrer de alguma anomalia dentária e necessita que lhe examinem a boca.

Nos cavalos com problemas dentários é muito comum observar que estes comem muito lentamente quando chegam à box. Nestes casos recomenda-se verificar as zonas à volta do comedouro porque em princípio vão estar cheias de comida. Esta situação acontece quando o cavalo tem alguma anomalia/dor dentária e consequentemente não consegue durante o processo de mastigação reter o alimento na sua boca. A comida pode também acumular-se na boca provocando halitose.

O mau estado da boca do cavalo influencia o seu estado geral. Nas fezes podemos observar partículas de alimentos por digerir. Esta falta de absorção dos alimentos pode levar a que o cavalo tenha uma diminuição do peso e massa muscular bem como a uma pelagem sem brilho.

Por último, podemos suspeitar que o nosso cavalo sofre de um problema dentário na hora de o montar. Agita muito a cabeça, apresenta resistência ao rodar a cabeça para os lados. Estes são sintomas suficientes para que se desconfie de algum problema e se faça uma inspeção à boca do nosso animal.

Problemas dentários mais comuns

Masticación caballo

Os cavalos mastigam a comida mediante de movimentos laterais dos dentes da arcada inferior contra a arcada superior. Uma parte importante do cuidado com a saúde oral do cavalo é assegurar que este consegue triturar a comida da maneira adequada. Para além disso, se juntarmos o facto de o cavalo ser hipsodonte (os dentes não param de crescer), podemos ver que os dentes desta espécie estão em constante desgaste durante a sua vida inteira. Este desgaste é diferente consoante cada cavalo e o alinhamento dentário pode sofrer alteração caso o desgaste não seja uniforme. Ao realizar a manutenção da boca do cavalo com a devida frequência conseguimos evitar desigualdades no tamanho de cada dente, evitando assim infecções ou até mesmo a queda dos dentes que estão a sofrer mais desgaste.

As doenças dentárias nos equinos mais frequentes são:

Anomalías congénitas

O Braquignatismo e o prognatismo são as anomalias congénitas mais comuns. O braquignatismo consiste num desalinhamento entre a mandibula e o maxilar, onde os incisivos superiores sobrepõem-se aos inferiores. Contrariamente o prognatismo é uma alteração onde o maxilar  é menor que a mandíbula.

Anormalidades congénitas

Ganchos e rampas nos pré-molares e molares 

Os ganchos consistem num crescimento anormal dos primeiros pré-molares superiores na sua porção frontal e as rampas consistem num crescimento anormal dos últimos molares inferiores na sua porção caudal. Estas anomalias causam lacerações e dor no momento de colocar a embocadura. Fazer a boca do cavalo pelo menos uma vez ao ano irá impedir o desenvolvimento destas anomalias adquiridas e as respetivas complicações.Gancho y rampa

Pontas de esmalte nos pré-molares e molares

São cristas e pontas que se formam nos pré-molares e molares devido à forma de mastigar e desgastar os dentes.

Para evitar este tipo de problema deve-se limar os dentes pelo menos uma vez ao ano, de forma a eliminar estas pontas e evitar as consequentes lesões.

punta esmalte
Retenção de dentes decíduos ou “dentes de leite”

As vezes os dentes decíduos não caiem e permanecem mais tempo que o normal e não caem espontaneamente. Esta situação provoca o desvio do dente permanente, uma vez que este já não possui espaço suficiente para ocupar o seu lugar. Os dentes retidos devem ser retirados caso estejam a causar algum desvio aos dentes definitivos.

Dentes de lobo

Os dentes de lobo ou primeiros pré-molares, localizados rostralmente ao segundo pré-molar,

podem originar problemas principalmente ao nível da maxila ou mesmo causar anomalias na totalidade da dentição. Em alguns casos não há problema algum para o animal, contudo, a sua extração poderá ser benéfica.

Diastemas

Os diastemas são espaços entre duas peças dentárias consecutivas. Estes espaços podem ter como origem a ausência de um dente, ou podem ser mesmo um espaço natural entre duas peças dentárias. O problema dos diastemas deriva da acumulação de alimento que poderá levar ao aparecimento de infecções. A resolução não é fácil, e assim sendo deve-se fazer a higienização do diastema periodicamente.

diastema

A saúde oral do nosso cavalo é muito importante. O estado da boca reflecte-se directamente na sua saúde e no seu rendimento desportivo. Um cavalo que não se sente confortável com a embocadura não irá realizar uma boa prova. No caso dos cavalos de lazer o constante agitar de da cabeça pode resultar em problemas para o animal e cavaleiro. A revisão anual da boca do cavalo serve para prevenir o aparecimento de  problemas mais graves.

Na Equinvest encontramos uma gama de produtos odontológicos adequados a cada situação. São exemplo as limas, abre-bocas, fórceps para a extração dos dentes de lobo ou até mesmo material elétrico avançado e inovador para o tratamento odontológico. Em qualquer caso, sempre que se depare com algum dos sintomas anteriormente mencionados, consulte o seu veterinário.

 

By | 2018-02-26T18:35:22+00:00 19 Julho 2017|Sin categoría|0 Comments

About the Author: