//As necessidades da égua gestante II

As necessidades da égua gestante II

A gestação da égua dura cerca de 11 meses (340 dias). Neste período de tempo, a égua experimentará todo o tipo de mudanças no seu corpo. Portanto, teremos que cumprir todas as necessidades para alcançar um maneio adequado e adaptado.

Quanto melhor for o maneio da égua, maior é a possibilidade da gestação alcançar o seu tempo final e que o poldro nasça saudável.

Consulta veterinária da égua gestante

Verificado pelo veterinário através de uma ecografia que a égua está gestante, a seguinte ecografia é feita por volta dos 14-16 dias. Este exame é muito importante uma vez que, se a égua tiver uma gestação gemelar, poderá corrigi-la eliminando uma das vesículas embrionárias. Da mesma forma, se a égua não estiver gestante, é um bom momento para começar com novas cobrições ou com novas inseminações.

A seguinte ecografia será feita pelo veterinário por volta dos 30-35 dias. Com este exame, conseguimos acompanhar a gestação. Se a égua perdeu o embrião, esta encontrar-se-á num momento adequado para ficar novamente gestante. Pelo contrário, se a ecografia for feita após 35 dias e se a égua não estiver gestante, durante 3-4 meses não será fecundada novamente. Isto irá fazer com que o poldro nasça no meio do ano e não no início do ano e, se se tratar de um cavalo que irá participar em competições, não é recomendado uma vez que será o mais jovem da sua classe.

vesícula-embrionaria

Entre os dois exames prévios, alguns veterinários realizam uma ecografia aproximadamente aos 25 dias. Graças a esse exame, pode-se detetar os batimentos cardíacos do poldro.

Devemos ter em conta que a idade da égua influencia a probabilidade de perder ou não o embrião. Uma égua jovem com menos de 20 anos tem 6% de probabilidades de abortar antes do 40º dia de gestação e 8% em dias posteriores. Enquanto uma égua com mais de 20 anos aumenta a probabilidade para 21% antes do dia 40 e 15% em dias posteriores.

A importância da desparasitação

O controlo dos parasitas na égua gestante é o mesmo que nos outros cavalos. Este controlo é baseado numa combinação de maneio das pastagens, eliminação das fezes das pastagens e das boxes e na administração de agentes antiparasitários.

A maioria dos antiparasitários pode ser utilizada nas éguas gestantes mas é o seu veterinário que tem a última palavra sobre que desparasitante é mais adequado para a égua.

Ao desparasitar a égua não só estamos a protegê-la mas também estamos a proteger o poldro que irá nascer. O parasita Strongyloides Westeri é um daqueles que se encontra no poldro com apenas alguns dias de vida. Isto ocorre porque as larvas deste parasita estão localizadas na glândula mamária e são transmitidas ao poldro enquanto este ingere o colostro e o leite. Estes parasitas causam problemas intestinais no poldro, como enterites e diarreias. A desparasitação da mãe no dia do parto com um composto à base de ivermectina reduzirá a carga parasitária e evitará a infestação do poldro recém-nascido.

Plano de vacinação

A vacinação da égua gestante é um dos pontos de controlo mais importantes. Isto serve para cumprir três objetivos: proteger a mãe de qualquer doença infeciosa, prevenir o aborto e proteger o poldro transferindo a imunidade através do colostro.

Recomenda-se que as éguas tenham todas as vacinas em dia antes de ficarem gestantes e que a próxima vacinação não coincida com os primeiros 2 meses de gestação. Para garantir que o poldro esteja totalmente protegido ao nascimento, a égua deve ser vacinada nas últimas 4-6 semanas de gestação.

O plano de vacinação consistirá em administrar as vacinas necessárias contra o vírus da gripe, o tétano e o rinopneumonite ou o herpesvírus equino. A vacina contra a gripe e o tétano será nas últimas 4 ou 6 semanas de gestação. Em contrapartida, a vacinação contra a rinopneumonite tem um padrão diferente. As éguas serão vacinadas três vezes durante a gestação no quinto, sétimo e nono mês.

yegua-prec3b1ada.jpg

Existe outra doença que podemos adicionar ao nosso plano de vacinação quando o veterinário responsável decide que é necessário devido à proximidade de um surto. Esta doença é causada pelo vírus do Nilo Ocidental. Esta vacina será administrada da mesma forma que a vacina contra a gripe e o tétano nas últimas 4-6 semanas de gestação.

Calendário de consultas e maneio

Se juntarmos todas as medidas de maneio, consultas veterinárias e prevenção de doenças, teríamos um quadrante com o qual poderíamos controlar de forma mais abrangente as necessidades da égua no período de gestação.

TOTAL DIAS DE GESTAÇÃO (aprox.): 340 (11 MESES)
MÊS DIA (aprox.) PONTO DE CONTROLO
MÊS 1 Dia 14-16 Ecografia: Prevenção de uma gestação gemelar
Dia 25 Ecografia: Presença de batimentos cardíacos
Dia 30-35 Ecografia: Confirmação da gestação
MÊS 5 Dia 150 Vacinação: 1º dose vacina Rinopneumonite
Exercício: a égua deixa a competição e passa a realizar um trabalho ligeiro
MÊS 7 Dia 210 Vacinação: 2º dose vacina Rinopneumonite
MÊS 8 Dia 240 Alimentação: mudança para um alimento específico de éguas gestantes
MÊS 9 Dia 270 Vacinação: 3º dose vacina Rinopneumonite
MÊS 10 Dia 310 Sinais de proximidade do parto: edema ventral, aumento do tamanho do úbero, relaxamento dos ligamentos pélvicos
Exercício: a égua passa a realizar passeios a passo e à mão
Vacinação: Gripe e Tétano
MÊS 11 Dia 340 Desparasitação: administração de ivermectina para eliminar Strongilus Westeri
By | 2018-02-26T12:59:38+00:00 16 Janeiro 2018|Sin categoría|0 Comments

About the Author: